A Luz que Cativa

traduzido por Sidi Alberto

domingo 18 de Outubro de 2009


 Preceitos de Abu Bistami [Bastami] no texto “A Luz que Cativa”

  • Ao perguntar “como posso ir até a Ti”, Ele respondeu: “abandona teu eu” e vem.
  • Nada pode ser acrescentado à Unidade.
  • Quando Allah soube que minha súplica era sincera e desesperada, me inspirou o completo esquecimento de mim mesmo.
  • O limite final dos autênticos iniciados corresponde aos dois primeiros estágios dos profetas.
  • Inclino-me com veneração, me prosterno com humildade.
  • Despojei-me do meu eu como a víbora de sua pele.
  • A perfeição do iniciado se adquire mediante o aquecimento no amor por seu Senhor.
  • Como se reconhece o iniciado? É o que não se deixa embriagar por sua invocação.
  • Ele é o Uno.
  • Sufi é aquele que toma o Livro de Allah em sua mão direita e a tradição em sua mão esquerda.
  • É preciso abandonar a cólera, o orgulho, a disputa que gera hostilidade. Seja seu próprio crítico e faça o exame de consciência. Combata ao ‘eu’.
  • O amor e a fé colaboram no coração do homem sincero.
  • O que é o sufismo? É afastar o ‘eu’ com o serviço (ao mundo).
  • Invoco-te no segredo do meu coração – estou aniquilado e Tu permaneces. Meu nome se desvaneceu... Não há nada mais – só Tu existes.

 • Preceitos de Ali al-Jamal, o mestre do sheikh al-Darqawi (nas “Cartas de Darqawi”)

  • Se fores doce, que a vida seja amarga!
  • Se estás contente, que importa que as pessoas estejam irritadas.
  • Que entre Tu e eu tudo esteja cultivado e que entre eu e os mundos somente exista deserto!
  • Se Teu amor estiver assegurado, tudo é fácil, já que tudo sobre a terra não é mais que terra.
  • Oh Allah, que minha vergonha seja evidente aos olhos das criaturas e minha - Enquanto outras pessoas se preocupam com a adoração, ocupa-te do Adorado.
  • Ele é a única coisa, fora da qual não há nenhuma coisa.
  • Se acrescentares o efêmero ao eterno, o efêmero desaparece e somente o eterno permanece.
  • Quando as luzes da pura contemplação se revelam, desaparecem, ao mesmo tempo, o asceta e aquilo do que ele se abstém.
  • Mente quem pretenda ter bebido do vinho dos iniciados e compreendido suas verdades espirituais e apesar disso não tenha se desapegado do mundo. Do mesmo modo que o paraíso não é acessível para quem tenha morrido e nascido outra vez, o ‘paraíso da gnosis’ permanece fechado para aquele cuja alma não esteja morta a este mundo...
  • Não terás vida antes de haver morrido [para o mundo].
  • Não alcançarás a meta a que aspiras enquanto durem os elogios que prestam os homens.
  • Não obterás a extinção em Allah [‘fana’ – a ‘extinção do eu’] enquanto não estiveres morto ao mundo.
  • Se os véus que estão a tua frente forem retirados, contemplarás o bem Amado em ti mesmo.
  • Se tua alma estivesse livre de manchas, a Verdade chegaria e a vaidade desapareceria.



Enviar uma mensagem

Facebook