MORALIDADE E CONDUTA
Você está aqui : Página de abertura do sítio » Biblioteca » Ditados » Trechos das “Cartas” de Junaid

Trechos das “Cartas” de Junaid

Por Jamal al-Murb Gnosiya

D 25 de Maio de 2010     H 17:05     A    


agrandir

A gnosis tem um grau inicial e um grau supremo, onde se situa a elite espiritual.

Para aqueles que possuem gnosis, seu objeto é infinito.

Como a gnosis poderia englobar Aquele o qual o pensamento não alcança, a razão não identifica, que o espírito não imagina e cuja maneira de ser escapa à reflexão!

A mais sábia das criaturas em relação a esse assunto, é aquela que reconhece com a maior das forças sua incapacidade de apreender Sua grandeza.

Ele é eterno, e tudo o que é outro senão Ele é produzido no tempo.

Ele preexiste, e tudo o que é outro senão Ele tem um começo.

Ele é a Divindade, e tudo o que é outro senão Ele é objeto dessa Divindade.

Ele é Aquele que é sábio, sem que ninguém o tenha instruído e sem que Ele obtenha informações de outro que não seja Ele, enquanto todos os outros seres sábios não o são graças à Sua Ciência.

Glória a Ele, que é o Primeiro sem começo e que é o Perpétuo sem fim!

A elite espiritual dos santos situa-se no grau mais elevado da gnosis.

Quanto aos crentes comuns, eles se situam no grau inicial da gnosis, e os sábios (ou os gnósticos = al-ârifûn) lhes proporcionam testemunho sobre esses dois graus da gnosis, o inferior e o superior.

Seu testemunho, no que diz respeito ao nível inferior, consiste na proclamação da Sua unicidade, na negação radical da existência de seres semelhantes a Ele.

Seu testemunho, no que diz respeito ao nível mais elevado da gnosis, consiste em realizar seus deveres para com Ele, dar-lhe preferência sobre todas as Suas criaturas, praticar as virtudes mais nobres e abster-se de tudo o que não aproxima Dele.

A gnosis com a qual a elite espiritual supera o comum dos crentes é o sentimento intenso, provado pelo coração, da infinitude de Sua grandeza e de Sua majestade, de Seu poder agente e da Sua ciência que engloba tudo, de Sua generosidade transbordante e de Seus favores.

Existem 3 tipos de homens: aqueles que partem para a busca e que seguem seu caminho; aqueles que chegam e param e aqueles que entram e que repousam.

Aquele que parte em busca de Deus se dirigem a Ele deixando-se guiar pelas indicações do ensinamento literalista e legalista. Seu comportamento em relação a Deus é estritamente exterior.

Aquele que chega à porta e pára é aquele que é consciente dos caminhos que aproximam Dele, graças às indicações que lhe proporciona a purificação de seu ser interior e graças aos dons das preciosas instruções das quais ele está pleno. Seu comportamento em relação a Deus é interior.

Aquele que entra (diante Dele) com todo o seu coração e que se afastou da consideração de tudo o que é outro senão Ele, não tendo olhos senão para o que Ele lhe mostra, executando com presteza o seu Mestre lhe ordena, é aquele que “realiza” a gnosis da Unidade de Deus.

A ciência do tasawwuf é aquela que só a conhece o homem dotado de intuição e familizarizado com a Verdade. Não a conhece aquele que não tem o testemunho interior.

O sufismo está baseado em 8 virtudes que lhe são próprias: generosidade da alma, aceitação do destino, paciência, discrição na fala, exílio voluntário, uso da lã, peregrinação e pobreza.

A renúncia é considerar esse mundo inferior pouca coisa e apagar todo traço seu no coração. A pobreza espiritual — é o coração vazio de formas.

A última estação do sábio (ou do gnóstico) é a liberdade.